14 de maio de 2014

Somos gateiros

"gateiro
(ga.tei.ro)
a.
1. Diz-se de pessoa que gosta de gatos, que é amiga dos gatos"
Aulete Uol
Quando comecei a pensar em ter um gato, a internet foi minha maior aliada na busca de informações. Pesquisei seus hábitos, seus comportamentos, tentei entender um pouco o que era ter um gato em casa antes de ter um.
Essas informações “internáuticas” -- que em grande parte eram depoimentos de pessoas que convivem com felinos --, nos ajudaram a decidir pela adoção de um gato, na verdade gatA, já imaginando mais ou menos como seria a experiência.
Por isso, aos poucos, farei alguns posts contando como foi (e é) nossa experiência com gatos e, quem sabe assim, também ajudo futuros gateiros a tomarem sua decisão.

Cresci praticamente sem ter contato com gatos – meu marido também. O único felino que passou pela minha infância vivia na casa da minha nonna e deve ter morrido quando eu ainda era muito pequena.
Não havia nenhum gato de estimação por perto nem na casa de parentes, nem de amigos.
Havia alguns gatos que frequentavam nosso quintal (principalmente à noite) e não eram muito bem-vindos devido ao barulho que faziam em plena madrugada. Geralmente eram espantados com esguichos de água pelo meu pai.

O que eu ouvia esparsamente sobre de gatos era que (repare nas aspas!): “eram traiçoeiros, não se apegavam aos donos, eram interesseiros”... Alguns estereótipos equivocados que me faziam ter medo deles e sequer considerar a possibilidade de ter um bichano de estimação.
O tempo passou e quando decidimos ter um bichinho de estimação por perto a melhor alternativa acabou sendo... um gato, quem diria!

Eu andava de olho e prestava atenção a vários cat lovers da blogosfera e minha opnião a respeito dos gatinhos estava bem mais aprimorada e o melhor: limpa de preconceitos.
Todos com quem eu conversava me recomendavam ter um gato em função do nosso pouco espaço, do pouco trabalho para cuidar deles, de sua boa adaptação com crianças...

A ideia foi se estabelecendo e finalmente adotamos uma gatinha. E... foi demais!
Com certeza a melhor escolha: em uma semana já éramos totalmente gateiros. Ficamos encantados com o fato de termos uma felina ronronando pelo apê.
Nós quatro nos derretemos com a inteligência, elegância e fofura de nossa primeira filhotinha:
brincalhona, carinhosa e linda.

Resultado: somos gateiros há 4 e desde a primeira adoção, acho que nunca mais ficaremos sem um gato em casa.