21 de outubro de 2013

Tricô Filosófico



Tem horas que o fio enrosca. Olho para ele e o emaranhado nem parece estar tããão enroscado assim.
Começo a desenroscar.
Puxa daqui, enrola dali, desenrola de lá, passa pelo meio... Parece que está desenroscando, mas na verdade o progresso é bem pouco. Às vezes parece até que enroscou mais.
Respiro, deixo um pouco de lado e volto a desenroscar.

Não adianta perder a calma (às vezes perco), nem reclamar (às vezes reclamo).
Não vale cortar o fio, tem que resolver direito.
Vou soltando, desenroscando até conseguir. Uma hora o novelo solta.
...
Igual a vida, igual dentro de mim.