11 de setembro de 2012

Amoras no pé, amoras na mão


As amoreiras espalhadas pela cidade estão carregadas.
No domingo encontramos uma e as crianças se lambuzaram. Mancharam mãos, boca e sapatos (o chão estava cheio!).
Não dava nem tempo de juntar algumas e já tinha alguém mastigando.
Ontem, eu encontrei uma outra amoreira carregada (aí sim pude comer um pouco).


A única vez que comprei amoras foi uma decepção. Não tinham nem metade do sabor das que dão por aí, de graça.
(Comprar amoras, aliás, causou estranhamento por aqui: “amora veeende, mãe?!?!”)

...

A condição das amoreiras “for free” é a seguinte: as maiores, as mais escuras e doces ficam no alto -- são dos pássaros. O resto é de quem passa.:o)