22 de agosto de 2012

Transformando

Procuro ensinar as crianças que SEMPRE é possível transformar para melhor algo que não gostamos a princípio. Muitas vezes basta mudar o ponto de vista.
 
É claro que o ensinamento é válido principalmente para mim. Também eu QUERO aprender a fazer isso em inúmeras situações -- nem sempre consigo.
 
De qualquer forma, acredito que treinando o olhar (e a atitude) com pequenas coisas, com problemas simples, a gente vai aprendendo e incorporando essa maneira de ver e ser.
 
Quando os filhotes desenham sempre digo: transformem.
Não gostou do traço? Não ficou como queria? Transforme!
O que era pra ser um tatu, vira um barco; a menina vira uma árvore, uma mancha se transforma num chapéu... Vale tudo. Só não vale não tentar trasnformar.
 
Ontem pedi a L. que desenhasse sobre um papel já pintado que, segundo ela, estava borrado, manchado, feio.
Ela fez o desenho despretenciosamente, na certeza de que não ficaria bom, pois o papel já estava “estragado”.
 

Eu a-do-rei o resultado.
O papel que iria para o lixo virou uma linda ilustração.
 
Ela diz que não gostou – mas deixou que eu o colocasse aqui (no fundo, talvez não tenha achado tão mal assim o resultado). ;o)