30 de maio de 2012

A rua-óasis

Algumas coisas que acontecem no meu dia-a-dia me ajudam a “respirar”.
Uma delas é passar todo dia de manhã por uma rua de paralelepípedos depois de deixar as crianças na escola.
Para mim, ela é uma rua-oásis. 

Fica em meio a um bairro movimentado, com trânsito de carros e pessoas, prédios, casas, escritórios, lojas, velocidade, pressa...
Apesar de estar ao lado de tanto movimento, não é uma rua de passagem. A rua-óasis é o contrário do entorno.
Deve passar despercebida por muitos. Na verdade, eu desvio do caminho mais óbvio para passar por ela.

A rua-oásis é plana, tem somente casas (algumas com jardim), tem muitas árvores e um ritmo próprio. Não possui lombadas, mas automaticamente qualquer carro reduz a velocidade ao entrar nela.

Quando passo por ali, esqueço do mundo.
Por alguns segundos somem todos os problemas da minha cabeça. Só vejo aquele sol da manhã atravessando as árvores e deixando os paralelepípedos dourados. Namoro a minha casa preferida. Ouço o som gostoso dos pneus sobre os blocos de pedra.

Quando termina a rua invarialvelmente estou sorrindo -- e respirando um pouco melhor.